sábado, fevereiro 25, 2006

Geraldo Magela


Geraldo Magela é mineiro mas mora em Santa Branca à beira do Rio Paraiba, antes havia morado em São Paulo e Jacarei. Seu trabalho pode ser encontrado na Feira da Praça da República, tradicional ponto turístico na Capital paulista. Sua pintura é colorida, um primitivo rico, representativo.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Arlindo Daibert


Arlindo Daibert Amaral nascido em Juiz de Fora, M.G. em 1952. Estudou na Universidade de Juiz de Fora, cursou Letras, enquanto participava de salões locais de artes recebendo alguns prêmios em desenhos, nesta época trabalhava em jornais. Em 1972 participou do IV Salão de Verão no MAM/ RJ, participou do Salão de Arte Moderna do MEC, exposições coletivas nas Galerias do IBEU, Galeria Real, e na exposição 50 Anos de Desenho Brasileiro organizada pelo colecionador Gilberto Chateaubriand.
Em 1974 obteve o prêmio Ambassade de France, publica ilustrações na revista Planeta, SP. Em 1975 viaja para Paris e estuda técnica de gravura no atelier Calevaert-Brun ate 1976, participou de exposições coletivas neste período. A partir de sua volta, em 1977 passa a realizar várias exposições, MAM/ RJ, Panorama do Desenho e Gravura no MAM/SP, Galeria Entreartes, São Paulo, Paris: Images/ messages d’Amérique Latine e individual em Brasília.

Obtém o “Prêmio Melhor Desenhista” da APCD; representa o Brasil na XV Bienal Internacional de São Paulo. Em 1980 obtém o “Prêmio Viagem ao Estrangeiro” no III Salão de Artes Plásticas, R. J. Participou do Panorama do Desenho e a Gravura no MAM/SP; II Bienal Ibero Americana Cidade do México, Bienal de Cali, em Colômbia, e, publica na obra Drei Milliarden Perverse, R Winkler Verlag, 1980.

Expõe em Roma na Itália em 1981; obtém o “Prêmio de Aquisição” da Bienal de Maldonado no Uruguay; “Contempory Brasilian Engravings and Drawings” em Tel Aviv, Israel; Do Moderno ao Contemporâneo no MAM/ RJ e Fundação Calouste Gulbenbian , Lisboa.

Em 1981 passa a residir em São José dos Campos, SP, foi convidado para coordenar o atelier de Gravura do Dep. Cultura da Prefeitura desta cidade. Nesta época realiza a exposição Retrato do Artista na Galeria Projecta, SP; participa de exposições em Belo Horizonte; a série Macunaíma, foi exposta na Galeria Banerj, Escola Artes Visuais do Parque Laje; no MASP;, Galeria

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Debret e o Vale do Paraiba


Casa Pintada, Jacarehy, 1827. Gravura aquarelada, col. particular

Debret foi o primeiro artista que esteve no Vale do Paraiba. Este artista francês permaneceu trabalhando no Brasil por quinze anos, quando regressou ao seu país de origem, em 1831, levou centenas de desenhos para ilustrar o texto de sua obra "Voyage pittoresque et historique au Brasil"publicado em 1834-39 pelo mais importante editor da época. Foram três volumes, mais de quinhentas páginas de texto e cento e cinquenta e seis estampas.

Além destes volumes também executou uma variada série de aquarelas e desenhos litografados, datados de 1816/ 1839, cento e quarenta aquarelas inéditas que não tinham sido editadas até então.

Há cinquenta anos atrás esta coleção foi encontrada e adquirida por um brasileiro, Raymundo Ottoni de Castro Maya. Segundo consta o segmento mais importante e notável desta série de gravuras e desenhos são as panorâmicas do Vale do Paraiba, elaboradas em 1827 pois viajando do Rio de Janeiro para São Paulo, Debret documentou a paisagem, as vilas, flora e também os habitantes rurais da região valeparaibana.
Essa importante coleção faz parte do acervo de uma fundação carioca, da Fundação Castro Maya, do Rio de Janeiro.

ref. bibliográfica:

Jean Baptiste Debret, São Paulo, Cia. Ed. Nacional, Brasiliana, vol 352, 1973, p59.

domingo, fevereiro 19, 2006

Luiz Gonzaga Beltrame

clique na imagem para ampliá-la
Luiz Beltrame nasceu do Rio Grande do Sul, 1951, mas morou e trabalhou muito anos em São José dos Campos. Estudou na Faculdade de Belas artes da Universidade Federal de Santa Maria de, 1967-1970. Foi para a India, Estado de Bengala, estudar na Visva Bharati University, Santiniketan em 1970/71. Quando mudou-se para São José dos Campos, "passou a usar o óleo, seu lado mágico da antiga fase foi demolida em fragmentos abstratos onde a cor substitui o traço e marca a composição de forma vigorosa," segundo palavras do crítico Laertes Mendes de Oliveira na época, 1979.
Participou das seguintes mostras:
The 32nd India National Exhibition, Calcuta- 1971
One Man Showing- Kala Bhavana, SantiniKetan- 1972
Mostra de Artes Visuais do Estado do Rio de Janeiro- 1972
Salão de Arte Moderna 1973 R.J.
Desenho Fantástico Real- Galeria de Arte Rio de Janeiro- 1974
Album de Serigrafias Mam- R. J.
MAM/RJ- Artista convidado-1974
11.- Salão de Verão, MAM/ RJ
Panorama da Arte Atual Brasileira, MAM/SP- 1977
Galeria Bonino, Artista convidado- 1978
Petit Galerie, RJ. 1979
Galeria do Sol, S. José dos Campos, SP- 1979
Palazzo Pamphilii, Roma, Itália-1981
Coleção Gilberto Chateubriant- MAM/ RJ
Ref. bibliográfica
Jayme Maurício

sábado, fevereiro 18, 2006

George Rembrandt Gütlich

clique na imagem para ampliá-la
George Rembrandt Gütlich nasceu em São José dos Campos em 1968. Quando menino acompanhou seu pai, também artista plástico. Bacharel em pintura pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, S.P, 1989. Pós graduação em Museologia pelo Instituto de Museologia de São Paulo, 1990. Defendeu mestrado em Ciências Ambientais sobre o tema: Arcádia Nassoviana. Natureza e Imaginário no Brasil- holandês" pela Universidade de Taubaté, S.P. 2002
Estagiou no setor de Museologia do Museu Lasar Segall, e fez várias oficinas e cursos extracurriculares mas dirigiu seu interesse maior para a gravura e desenho pintura.
clique na imagem para ampliá-laDesenvolveu atividades didáticas sobre Xilogravura no ENEA-FAU-UFRJ, Desenho da Paisagem,SENAC- SP 1999/2001.
Atualmente leciona e coordena cursos na disciplina de Gravura na fundação Cassiano Ricardo em SJC, plástica no Dpto. De Arquitetura Unitau- Taubaté, desde 1991, Gravura no curso de Artes Plásticas da Universidade Braz Cubas- Mogi das Cruzes.
Principais exposições coletivas:
Galeria Volpi- 1985,1987, 1989
MAC/Campinas- 1993
Coletiva de Gravadores Paulistas- UNB 1994
International Mail Art- Havana, Cuba 1995
Bienal Santos- 1995
Gravadores Joseenses- Un. Vale Paraiba-1999
Mostra Gravura Rio- RJ- 1999
Museu Gran Vasco- Viseu, Portugal, 2001
Brasilianische Landschaft, Berlim, 2004
Principais exposições Individuais:
Galeria Entreartes- 1990
Galeria Volpi- 1992 e 1994
Galeria do sol- 1994
MAC/USP- 1995
Galeria SESC Paulista- 1997
Brinquedos, Sala Mário Lago- 2003
A Gravura em Metal, Galeria Augusta, SP-2003
Novas Aquisições, Museu Nacional de Malta, Valletta, Malta
Principais Salões participantes:
Mostra de Gravura Cidade de Curitiba-1990
Salão Paulista de Arte Contemporânea-2000
International Exlibris Centrum- Sint Niklaas- Belgica- 2001, 2003
III Festival de Gravura- Evora, Portugal- 2001
I international Bienal of Mini Prints, Tetovo, Macedônia- 2001
Ural Print Triennial, República do Bashorkortão- 2001
XI Bienal internacional de Gravura no Vale d'Oise, França-2002
Print Triennial, Majdanek, Polonia- 2003
Premio Acqui-VI Bienale Internazionale per l'incisione, concorso exlibrístico, Acqui Termi-2003
Bienal de Cerveira- 2005
Miedzynarodove Biennalle, Polônia, 2005
Artista premiado várias vezes em diversos salões. Fez ilustrações para publicações e publicou livros em co-edição com a Fapesp 2005

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Leão Felício Raymundo Leonino

clique na imagem para ampliá-la
Leão Leonino nasceu em Cachoeiro de Minas em 1948, morreu em Juiz de Fora, 1989, MG.
Estudou na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Curso de Extensão em Artes Plásticas na UFMG. Estudou gravura com Alvaro Apocalípse, Yara Tupinambá e desenho com João Quaglia entre 1971-73. Em 1969 passou a residir e trabalhar em São José dos Campos até 1984, depois, permaneceu em Juíz de Fora, MG, lecionando pintura no Dep. Artes da UFJF até 1987.
Em 1986 preparou o material iconográfico da exposição O Olhar do Poeta na biblioteca Mário de Andrade. Em 1987 ultimou os preparativos para o Festival de Inverno da UFMG.
Foi desenhista, pintor e professor.
Algumas exposições individuais:
1979 Galeria SESC/ SP
1981 Galeria Rio Barna/ Barcelona
1983 Traço Galeria SP
1983 Galeria IBEU/ RJ
Ref. Bibliográficas:
Leonino, L. Pinturas, Litografias e Monotipias . Traço Galeria de Arte, SP, sd
Leonino, L. Triângulos: Veículos e Significados, Assumpção, I. A. Galeria SESC, SP, 1975
Pontual, R. Entre dois séculos de arte Brasileira, Ed. Século XX.

Johann M. Gütlich




Johann Gütlich nasceu em Rotterdam, Holanda, em 1920.
Formou-se na Academia de Artes Plásticas e Ciências Técnicas na mesma cidade. Veio para o Brasil em 1952 convidado do MAM de São Paulo e do MAM do Rio de Janeiro. Pouco depois veio residir em São José dos Campos. Participou de exposições coletivas em várias galerias de Haia, Nova Iorque, Rotterdam, Caracas e Rio de Janeiro; na Bienal São Paulo em sala especial. Participou do I Salão Nacional de Artes Plásticas no Rio de Janeiro. Expôs individualmente em Amersfoort/Holanda, Centro Cultural Inernacional de Amesterdam, Galerie Van Lier, MASP, MAM/SP, Galerias Astréia, Entreartes de São José dos Campos, Volpi, Departamento de Arte da Arquitetura da UNITAU, de Taubaté, e Auditório Itália, SP.
Possui obras nos seguintes museus: MAM/SP, Gröningen, Amsterdam, Antuérpia, e em várias coleções particulares.
Faleceu em São Paulo em 2000.
Ref. Bibliográficas:
Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos, org. Carlos Cavalcante.
Lexicon de Artistas Plásticos Holandeses, Sheen, P. A.
Expresionismo no Brasil: heranças e afinidades, SP, Imprensa Oficial do Estado, 1985
Catálogo Geral das Obras , MAC/USP,1973
Ruurd Elzer (biografia), Cees Hofsteenge, Groningen; Dicionário Crítico da Pintura Brasileira, José Roberto Teixeira Leite.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Monica Nador

Monica Nador nasceu em Ribeirão Preto e passou parte da sua adolescência em São José dos Campos. Foi uma das expoentes da "geração 80". Desenvolveu pinturas murais em bairros pobres periféricos em várias cidades no Brasil e no exterior, desenvolvendo um projeto denominado "Paredes Pinturas". Sua proposta artística era "de romper e expandir limites na intervenção artística". Desenvolveu um trabalho em conjunto com os moradores em um bairro pobre da periferia de São José dos Campos chamado Cinturão Colorido. Estes moradores assim incentivados pintaram também o interior de suas casas. Depois desta experiência, partiu para experiências no exterior, em Tijuana, Cuba, India e Paquistão, sob o patrocínio do Banco Mundial. Entre suas participações cita-se o III Salão Paulista (1985), Como Vai Geração 80? (1984), III Salão Paulista (1986), Arte Híbrida no MAM (1989), 20 Panorama Arte Atual, MAM (1989), Salão Nacional de Artes Plásticas (1985), e Feira Internacional de Arte Compemporânea, Madri.
Segundo o crítico Tadeu Chiarelli sua produção é uma reflexão sobre a arte, que vai desenvolvendo-se pelas séries de pintura, uma reflexão interna sobre a Pintura e o embate com o público do circuíto das artes. Trabalha desde 1983, levou sua pintura por caminhos imprevistos, como fazer a pintura comentar a própria pintura.
Em 1988 fez a série intitulada O Bom e Velho Monocromático depois as séries A Arte, A Arte Engajada. Seus trabalhos são de um colorido rutilante.
Ref. bibliográfica:
Chiarelli, T. A Arte Internacional Brasileira, são paulo: lemos ed. 2002 p 240

Gastão Formenti

clique na imagem para ampliá-la
Nasceu em Guaratinguetá em 1894 e faleceu no Rio de Janeiro em 1974. Era filho de um pintor italiano e fez seus estudos de desenho e pintura com Pedro Strina. Em 1918 começa a trabalhar na oficina de vitrais com seu pai. Foi também ceramista. Ficou muito conhecido como compositor e interprete de música popular. Compôs para Carmem Miranda. Em 1970, ao fazer seu depoimento para o MIS/SP, contou um fato anedótico sobre si: uma moça perguntou-lhe perplexa se ele era também pintor, pois só o conhecia como cantor; ele respondeu: "eu também sou cantor senhorita!" Este fato denota a importância que a pintura mereceu de Gastão Formenti que preferiu e necessitou expressar sua arte como pintor e não somente como um cantor de sucesso..
Foi um paisagista de grande sensibilidade e popularidade.
Ref. bibliográficas:
Acquarone, F. e Vieira A. Primores da Pintura no Brasil, Segunda Ed. 1942, v2
Pontual, R. Dicionário das Artes pásticas do Brasil, Ed. Civilização Brasileira, 1969
Reis Jr., J.M. História da Pintura do Brasil 1944

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Quissak Jr.



Natural de Guaratinguetá, nascido em 1935, era denominado "o recluso de Guaratinguetá". Foi discípulo de seu pai, um grande fotógrafo e pintor que havia estudado com Rodolfo Amoedo. Estudou desenho e iniciou sua carreira como professor e pintor a partir de 1952, expondo suas obras em diversas cidades do Vale do Paraiba. Foi pintor, desenhista, gravador, escultor, mas sempre um pesquisador por natureza. Esteve em mostras sempre em cidades do interior, embora sua obra cumprisse necessariamente um itinerário nas metrópoles. Participou de mais de duzentas mostras individuais e coletivas no Brasil e exterior. Em 1970 assumiu a chefia no Conselho Estadual de Cultura e Museu de Arte Sacra de São Paulo. Nos ultimos vinte anos realizou mais de seiscentas palestras sobre Arte.
Pintor e professor de desenho, deixou uma extensa obra.

Célia Euvaldo

clique na imagem para ampliá-la
Célia Euvaldo nasceu em São Paulo, 1955. Passou a infância e adolescência em São José dos Campos. Iniciou a Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos e fez Licenciatura em Educação Visual pela Puc do Rio de Janeiro. Estudou gravura com Carlos Martins.
Viajou para Paris e lá permaneceu de 1982/86 quando terminou mestrado na Paris VIII.
Em 1986 desenvolveu projetos utilizando a luz neon, e trabalhos com a arte minimal. Expôs no MAC neste ano. Em 1991 inicia uma fase interessante de desenhos em enormes linhas horizontais. Premiada no XI Salão Nacional de Artes Plásticas, expôs na Galeria Paulo Figueiredo, Pinacoteca do Centro Cultural São Paulo. Fez a tradução de um livro sobre o artista suísso Giacometti, e atualmente trabalha também em uma editora de arte.

Justino

clique para ampliarclique para ampliar
clique na imagem para ampliá-la clique para ampliar

Sebastião Justino de Faria é natural de Redenção da Serra, nascido em 1932, pintor e desenhista autodidata foi definido como um artista de tendência impressionista. Lecionou em Guaratinguetá e Taubaté, viveu como pintor em Taubaté. Registrou cenarios do Vale do Paraiba, temas e iconografias do interior e litoral norte. Realizou murais e ilustrou edições de livros.
Expôs no MASP/SP, Ingeborg Kok- Scheveningen-, Holanda, Expo Itinerante Arte- MEC
Foi premiado inúmeras vezes no exterior.
Medalha de Ouro no II salão do Trabalho
37o SalãoNacional de Artes Plásticas- Menção Honrosa
Salão A.B.D. -1980 Menção Honrosa
I Salão de Artes plásticas de Taubaté- Medalha de Ouro
Segundo os críticos da época "Justino representaria os 400 anos de tropeirismo, cultura, o casario e a relação do homem com a natureza..."

Antonio Mendes da Silva / Toninho Mendes


clique na imagem para ampliá-la

Assina Toninho Mendes, pintor primitivo, natural de Redenção da Serra, 1948, pequena cidade que foi submersa pelas águas de uma represa. estudou ginásio, música e desenho em Taubaté. Dedicou-se a temas religiosos, aos 15 anos pintando santos e Bandeiras do Divino para procissões. Atualmente pinta imagens religiosas e retrata lendas, superstições, gente típica e aspectos folclóricos.
Segundo o artista ele sempre se vale da tradição oral, herança dos mais antigos como o tema ou forma de inspiração em suas obras. Sua intenção seria "guardar lembranças antigas" É citado em algumas publicações como um pintor primitivo de tradição
.clique na imagem para ampliá-la


Ref. bibliográfica:
Lima, M. A et Kawall,L. E. Os 14 do Vale: pintores primitivos- Vale do Paraiba
Art Editora, 1987

Guima


clique na imagem para ampliá-la
Luiz de Sousa Guimarães, Guima, nasceu em Taubaté, em 1927, faleceu em 1993. Foi para o Rio de Janeiro estudar pintura e desenho com Darwin Silveira Pereira e Inimá de Paula. Estudou desenho no MAM com Santa Rosa, gravura em metal com M. Grassmann e litografia com Darel Valença Lins, FAAP.
Estudou Cinema com Máximo Barros e Roberto Santos no MASP
Foi frequentador assíduo da Associação Brasileira de Artes Plásticas, expôs várias vezes no Rio de Janeiro em diversas galerias. Participou da Mostra Itinerante del Deseño Brasileño, ganhador do VII Prêmio Internacional Joan Miró. Expôs em Roma, Concurso Internacional de Pintura, Mostra Internacional de Praga 1953, Salão de Arte Moderna 1954, Bienal São Paulo 1967, I Salão Nacional Arte Moderna 1970 MAM/RJ, Salão Nacional de Arte Moderna- 1973, 13 Brasilians Artists- Connecticut- EUA, Arte Gráfica Brasileira de Hoje, patrocínio do Ministério Relações Exteriores, itinerante na Europa e muitas outras.
Sua última exposição foi em 1989, no Parque Lage, Gravura Brasileira.
Segundo o crítico Jacob Klintowitz, "sua sensibilidade para a cor é grande, violenta, fauve, causando impacto visual..."
Representado: MASP/SP, Museu de Arte Campinas, Museu de Arte do Paraná, Acervo de Arte da Universidade de Oxford- Inglaterra, Fundação Arcozelo-RJ, Museu da Gravura de Belo Horizonte,
Ref. Bibliográfica:
Louzada, J. Artes plásticas; seu mercado, seus leilões, SP, 1984
A cor e o desenho do Brasil: apresentação de Radha Abramo e Jacob Klintowitz, São Paulo.
Centro Brasileiro de projetos de Arte, 1984
Revista Gam, n 13- Tribuna da Imprensa- 1968
Enc. Delta Laroussep 3253, Dicionário de Artistas Plásticos de Roberto Pontual, p 257,

João Santus


clique na imagem para ampliá-la

João Santus é natural de Taubaté. Estudou no Rio de Janeiro e lá trabalhou, possuiu uma pintura vigorosa, colorida e "fauve". Sua obra é pouco divulgada. clique na imagem para ampliá-la

Djanira

Djanira da Motta e Silva, nasceu em 1914 e faleceu em 1979. Foi pintora, desenhista e fez gravuras. Estudou com Mercier e a partir de 1942 foi muito premiada em salões (SNBA,1942, 1943, 1944 e 1950). Participou de mostras coletivas e individuais aqui e no exterior, era muito bem recebida pela crítica de época, quando diziam que sua pintura era ingênua ela declarava que ingênua era ela mesma,não a pintura.
Durante a década de 50 Djanira residiu por algum tempo em São José dos Campos. Esta obra intituladas "Peixes" , foi adquirida nesta época e está em uma coleção particular.

Ref. bibliográficas:
Pontual, R. p 181
Teixeira Leite, p 164
Ayala, W. p v 1, p 263
Zanini, W. p 810

domingo, fevereiro 12, 2006

Regis Machado


Nascido em Paraibuna, mudando-se para Taubaté frequentou o atelie de Anderson Fabiano, Lucio Moreira e Quissak Jr. Dedica-se a Arte Concreta. Sua proposta é "o encontro do estético com o material, a ação das cores marca a obra, as formas apaixonam, os elementos a determinam e, finalmente o conjunto a qualifica." Reside em São José dos Campos.
Expôs no Paço das Artes, SP, Bienais da Bahia, Santos e Bienal de São Paulo em 72. Participou do 3o Salão Paulista de Arte Contemporânea, Bienal Nacional 77, Salão Brasileiro de Artes, RJ. Prêmio de Aquisição nos Salões Paulistas de Arte Moderna, I Sãlão Brasileiro de Artes - R. J. Recebeu vários prêmios e entre estes Aquisição no XV Salão Paulista de Arte Moderna.
Jurado em vários salões.
Ref. bibliográfica: Roberto Pontual, Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas ( verbete) e Guia Internacional das Artes Plásticas.

Georgina de Albuquerque



Nascida em Taubaté em1885, em 1904 vai estudar no Rio de Janeiro na ENBA com Henrique Bernardelli. Namora o escritor Monteiro Lobato e em 1906 casa-se com o pintor Lucílio Albuquerque. Partem para Paris onde estuda com P. Gervais na na Escola de Belas Artes e na Academia Julian. Ao voltar para o Brasil participa do SNBA e recebe menção Honrosa. Recebe Medalha de Prata em 1914, em 1916 expõe com sucesso em São Paulo. Em 1919 recebe Medalha de Ouro. Recebe inúmeros prêmios internacionais: São Francisco, Nova York, Buenos Aires. Por concurso passa à Docente na ENBA e em 1948 torna-se Catedrática desta entidade. Em 1952 torna-se Diretora da ENBA. "As composições desta artistas são sempre perfeitas, há um equilíbrio nos tons das cores luminosas, percebendo-se sempre a influência que o impressionismo lhe deixou " segundo relato e Tarasantchi,R.
Dedicou-se a temática social pintando figuras femininas. Muitas telas, principalmente paisagens estão na Pinacoteca do Estado. Seus nus femininos são belísimos.
Ref. bibliográfica: Tarasantchi S. R. Pintores Paisagistas ( são Paulo, 1890-1920)

sábado, fevereiro 11, 2006

José Monteiro França




Nascido em Pindamonhangaba em 1876, em 1891 parte para o Rio de Janeiro para estudar no Liceu de Artes e Ofícios, depois na ENBA. Foi aluno de Henrique Bernardelli, e depois de cinco anos de muitos sacrifícios, forma-se (1904), recebendo uma menção Honrosa. Em 1906 faz uma exposição em São Paulo, recebe uma pensão do Estado e uma viagem para estudar na Itália. Volta para o Brasil em 1912 mas logo retorna para Paris onde fica até eclodir a I Guerra. Depois fixa-se definitivamente em São Paulo e dedica-se a pintar retratos de personalidades, paisagens e ministrar aulas. Recebeu forte influência da moderna escola de pintura italiana, dos impressionistas italianos,e como conviveu com os impressionistas franceses, não foi indiferente a eles. Segundo Tarasantchi, R., "sua pintura é de uma honestidade incomum." É consideradíssimo como paisagista.
Ref. bibliográfica: Tarasantchi Sprung, R. Pintores Paisagistas (São Paulo, 1890/1920) EDUSP, p. 265.

Régis Machado

Assista ao nosso amigo Régis Machado improvisando no vídeo. Deu para perceber que como ator ele não tem muito futuro, é melhor continuar fazendo o que ele já sabe fazer bem.

Pinacotecadovale é um blog com a finalidade de agregar interesses em torno da arte produzida e existente no Vale do Paraíba. Essa idéia decorreu de uma conversa com meu filho sobre a possibilidade de haver um espaço onde pessoas ligadas à arte e imaginária encontrassem um filão de informações e expressões sobre estes assuntos em nossa região . Todos têm algum interesse em seus mitos comuns, suas raízes e a arte cumpre parte importante neste papel. Acredito que tenhamos mais de cem pintores que nasceram ou passaram por aqui e estão dispersos ou em coleções, São josé dos Campos detém importante papel nesta riqueza cultural. Objetivamos apreciar este fato, artistas e sua arte, pessoas que viveram ou vivem próximas a nós, teremos depoimentos de pintores sobre suas obras, críticos, iconografias, informações, biografias e mostraremos muitas telas e pinturas raras, obras primas e tendências.

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Adão Silvério




Adão Silvério nasceu em 1942, em Redenção da Serra, hoje uma ciade submersa por uma represa, sua pintura tem por tema o folclore típico do Vale do Paraiba; reside em Taubaté e já tem obras difundidas na região e no exterior. Há mais de quarenta anos é fiel às imagens que retratam nossas festas folclórias, sempre tendo a Serra da Mantiqueira ao fundo. É um pintor de cores fortes e gestos simples. O Vale do Paraiba tem bons pintores primitivos e Adão é um de seus expoentes. Suas pinturas traduzem as raízes festivas e as crenças que pinta e desenha desde menino. Em 1966 fez sua primeira Exposição Individual no XV Salão Paulista de Arte Moderna e nestes quarenta anos jamais parou de trabalhar, com seu forte colorismo.
O interesse pela produção artística dos pintores populares deu-se após a Semana de Arte de '22, desde então, cada vez mais, artistas e inteletuais passaram a divulgar estas manifestações de artistas que nunca perderam a vitalidade de nossas raízes, dai o valor destas pinturas.
Há vinte anos atrás, foi feito um levantamento sistemático destes artistas, não tivemos conhecimento de novos pintores, pelo contrário, a produção diminuiu.
Adão Silvério expôs em mais de quarenta Salões, trinta coletivas, recebeu mais de vinte prêmios, tem suas obras em muitos países e exposta em cinco museus .

Ref. Bibliográficas:

MEC, Dicionário dos Artistas Plásticos

Cristiano, L. Guia Internacional das Artes

Lima, M. A. et Kawall, Os 14 do Vale. Pintores primitivos Vale do Paraíba, Art Ed. !987,

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Atelier de G. Gutlicht

Um rápido passeio pelo atelier de Gutlicht. Escreverei mais aqui em breve, narrando como foi este dia.

domingo, fevereiro 05, 2006

Artistas do Vale do Paraíba

O Vale do Paraiba que possui uma História importante tem também uma tradição de arte muito rica e variada. Esta região foi vista e estudada por olhares estrangeiros, Debret, Saint Hilaire, Spix, D'Orbigni, E. Zaluar, von Koseritz e brasileiros como Mário de Andrade, Sérgio Buarque de Holanda, Sérgio Milliet, Pasin e Tom Maia. Nossa região já foi descrita por Guilherme Glimmer, Marcgrave, Agassis.
O estudo de Sérgio Milliet sobre a passagem do café no Vale do Paraiba e suas repercussões ainda é de muita importancia, durante mais de um século, tudo girou em torno do ouro verde, muitos artistas floresceram aqui, mas depois as terras se cansaram.
Vários artistas e pintores, em diferentes épocas, nasceram ou viveram aqui, tais como Georgina de Albuqerque, Clodomiro Amazonas, João Santus, Justino, todos nascidos em Taubaté, assim como atualmente Adão Silvério; Gastão Formenti, que compôs para Carmem Miranda e depois dedicou-se inteiramente aos pincéis era natural de Guaratinguetá, Monteiro França, de Pindamonhangaba, estudou em Paris; A. Ianelli, Djanira, Gutlicht, Burle Marx, Kuno Schiffer, Leonino e também outros viveram em São José dos Campos.
São José dos Campos teve uma escola de Belas Artes e muitos pintores e professores de artes plásticas lecionaram aqui: Sacilloto, Fiaminghi. Atualmente São José dos Campos possui muitos artistas plásticos trabalhando e produzindo, tem um núcleo de bons gravuristas que pesquizam, lecionam: C. Ferigoli, George Gutlicht, Claudio Caropresso.
Trabalham e expõem muitos artistas com freqüência Bene Viana, Régis Machado, Blanco y Couto, Sonia Junqueira, e muitos mais artistas em Jacareí, Santa Branca e demais cidades do Vale. Célia Euvaldo, artista plástica trabalhando e expondo atualmente em São Paulo. Pintores Taubateanos: Justino, Fabiano e Lúcio Moreira, todos os pintores selecionados nestas páginas foram e são ativos, tiveram e têm influência em nosso registro visual, portanto, esta seleção tem qualidade, talvez sirva de estudo ou referência para algum aluno ou interessado.
Por este motivo está na hora de coletarmos esta nossa história através da arte e visitarmos as nossas paisagens imaginárias como fizeram os antigos viajantes.
Por que não agregarmos este riquíssimo acervo em um local que possa ser visitado, estudado e divulgado entre nós mesmos? Afinal é parte do nosso mito que está depositado nas telas e pinturas que os nossos artistas produziram e produzem expontaneamente.
Que esta página tenha uma função agregadora em próxima etapa. Algumas pessoas foram contactadas, acolheram a idéia, outros julgaram que é bairrismo e não concordam.
Felizmente ainda existem obras de arte raras que estão entre nós assim como colecionadores abnegados que guardam e cuidam de telas preciosas e objetos interessantes. Existem telas aqui em nossa região que guardam a nossa memória e o nosso imaginário. Devemos aos colecionadores a preservação e cuidado destas obras.
Com o transcorrer do tempo divulgaremos uma parcela destas telas e pinturas, um grande acêrvo poderá ser apreciado nestas páginas.
Outrora, em Pindamonhanaba, na fazenda Curuputuba, seu proprietário, o industrial Cícero Prado, ao longo dos anos criou um bom acervo de telas e pinturas de qualidade. Atualmente parte destas telas estão reaparecendo e voltando para o Vale do Paraiba...
Em tempo: ainda um dia falaremos da imaginária produzida aqui no Vale, os santos e suas imagens das capelas rurais.
Ref. Bibliográfica
Milliet, S. Roteiro do Café e outros ensaios: contribuições para o estudo da história econ6omica do café. 4a edição, INL Brasilia, 1982